O que é lipoma
O que é lipoma

Lipoma é um tipo de tumor benigno composto por células de gordura. Embora a palavra “tumor” possa soar assustadora, é importante ressaltar que os lipomas geralmente não são cânceres. Neste post você vai entender tudo sobre o que é um lipoma, sintomas, causas e tratamentos.

Como dito, o lipoma não é um câncer, ou seja, eles não se espalham para outras partes do corpo e comumente não representam um risco grave à saúde. Entretanto, uma minoria de casos podem ser lipossarcomas de alto grau. Desta forma, sempre é necessário uma avaliação minuciosa da lesão para decidir qual caminho a ser seguido.

Os lipomas são crescimentos anormais de tecido adiposo, o qual é comumente conhecido como gordura. Eles podem surgir em qualquer parte do corpo onde exista tecido adiposo. Os lipomas geralmente formam uma protuberância, um caroço, um calombo macio e móvel embaixo da pele. Eles podem variar em tamanho, desde pequenas elevações embaixo da pele até nódulos maiores, e geralmente não causam dor.

O que causa os lipomas?

As causas dos lipomas ainda não são totalmente conhecidas. No entanto, alguns fatores podem contribuir para o aparecimento do lipoma como:

Predisposição genética

A predisposição genética é uma condição chamada de Lipomatose Familiar. Acredita-se que a predisposição genética desempenhe um papel importante no desenvolvimento de lipomas. É comum encontrar casos de lipomas em famílias, sugerindo uma tendência hereditária. Certas mutações genéticas podem afetar o crescimento e desenvolvimento das células de gordura, levando à formação de lipomas.

Obesidade

Embora não haja uma relação direta entre obesidade e lipomas, existe uma correlação entre os dois. Pessoas com excesso de peso têm maior probabilidade de desenvolver lipomas, possivelmente devido a fatores hormonais e genéticos associados à obesidade.

Desequilíbrios hormonais

Alterações nos níveis hormonais também podem estar relacionadas ao desenvolvimento de lipomas. Alguns estudos sugerem que os hormônios, principalmente os estrogênios, podem influenciar o crescimento e a divisão das células de gordura. Dessa forma, desequilíbrios hormonais podem contribuir para o surgimento de lipomas em algumas pessoas.

Traumas ou lesões (lipoma pós-traumático)

Embora não seja uma causa comum, alguns lipomas podem se desenvolver após traumas ou lesões em determinadas áreas do corpo. Esses eventos podem desencadear uma resposta inflamatória que, por sua vez, estimula o crescimento das células de gordura.

Algumas síndromes e doenças

Algumas síndromes ou doenças estão associadas a formação de lipomas, como por exemplo, Síndrome de Gardner, Síndrome de Cowden e a Doença de Madelung.

Ressalto que essas são apenas teorias e não uma lista definitiva de causas. O desenvolvimento de um lipoma pode envolver uma combinação de fatores genéticos, hormonais e ambientais. No entanto, em muitos casos, a causa exata permanece desconhecida.

Quais são os principais sinais e sintomas de um lipoma?

Os lipomas dificilmente causam dor ou outro sintoma expressivo. O que é comum acontecer é um desconforto na região onde ele está presente. Isso ocorre principalmente em regiões de dobras como cotovelos e joelhos.

Também é comum ocorrer um incômodo, quando os lipomas estão presentes em locais onde a roupa, acessórios ou equipamentos de trabalho possam comprimi-los. Como por exemplo, alças de sutiã, alças de bolsas, alças de equipamentos de trabalho como bombas costais.

Esse desconforto pode ocorrer também quando os lipomas estão presentes em superfícies do corpo que ficam em contato com superfícies diversas, como por exemplo, superfície de cadeiras ou camas.

Desta forma, os sintomas são pobres, porém os sinais são bem evidentes. Dificilmente a pessoa não nota o crescimento de um lipoma. Porém por causar poucos ou nenhum sintoma, é comum a pessoa demorar para investigar o que é.

Sintomas dos lipomas

  • Os sintomas são pobres, dificilmente causa dor, às vezes uma leve dor ao toque.
  • Desconforto na região do lipoma e adjacências.

Sinais dos lipomas

  • As pessoas costumam descrever o lipoma como um abaulamento, protuberância, calombo, caroço, uma lesão, geralmente arredondada que aparece por baixo da pele, principalmente no pescoço, costas, ombros e abdômen;
  • A lesão possui consistência firme, porém elástica e geralmente com uma certa mobilidade.
  • O tamanho pode variar de poucos centímetros, os mais comuns, até grandes massas. E quando maior que 10cm, são considerados lipomas gigantes.

Como se faz o diagnóstico de um lipoma?

O diagnóstico clínico, com história e exame físico, onde se observa as características da tumoração através da inspeção e palpação, é possível fazer um diagnóstico com boa precisão.

Contudo, em lesões maiores deve-se fazer exames de imagem como ultrassom, tomografia computadorizada ou ressonância. Os quais podem ajudar além do diagnóstico em si, como analisar as estruturas adjacentes ao lipoma. Através dos exames de imagem se faz a avaliação de nervos, vasos sanguíneos, osso, musculatura.

Em caso de suspeita de lipossarcomas, a ressonância magnética ajuda a definir melhor o diagnóstico. Nestes casos também é necessário fazer uma biópsia da lesão, e hoje esse procedimento pode ser guiado por um ultrassom, o que aumenta a segurança e precisão do procedimento.

Como se trata os lipomas?

Geralmente não é necessário retirar os lipomas, a menos que eles estejam causando sintomas, incômodo estético ou afetando a função de determinada área do corpo.

O tratamento mais comum para os lipomas é a remoção cirúrgica, mas também existem outras opções disponíveis. Vou explicar cada uma delas:

Não fazer nada, apenas observar

Se o lipoma não estiver causando sintomas significativos ou preocupações estéticas, o médico pode optar por apenas observá-lo ao longo do tempo. Isso envolve monitorar o tamanho e a aparência do lipoma por meio de exames físicos periódicos. Se o lipoma não crescer ou causar problemas, nenhum tratamento adicional pode ser necessário.

Remoção cirúrgica

Quando um lipoma precisa ser removido, o procedimento geralmente é realizado em uma clínica ou hospital sob anestesia local, podendo também ser feito uma sedação, principalmente naqueles lipomas gigantes. Lembrando que a sedação sempre deverá ser feita por um anestesiologista que é o médico devidamente qualificado para administrar anestésicos e sedativos a uma pessoa.

O procedimento consiste no médico realizar uma pequena incisão (corte) na pele, por onde removerá o lipoma em sua totalidade e, em seguida, fechará a incisão com pontos. A cirurgia geralmente é rápida e simples, e a recuperação costuma ser tranquila.

Aspiração por agulha

Em alguns casos selecionados, especialmente quando o lipoma é grande e preenche-se com líquido oleoso, o médico pode optar pela aspiração por agulha. Essa aspiração pode ser guiada por ultrassom. Nesse procedimento, uma agulha é inserida no lipoma e o conteúdo é aspirado. No entanto, essa abordagem tem uma taxa maior de recorrência em comparação com a remoção cirúrgica completa.

É importante ressaltar que a decisão de tratar ou não um lipoma e qual método de tratamento adotar depende de vários fatores, como o tamanho do lipoma, sua localização, sintomas associados e preferências do paciente. É fundamental discutir com seu médico a melhor opção para o seu caso específico.

Além disso, é importante lembrar que nem todas as protuberâncias ou crescimentos na pele são lipomas. Em alguns casos, podem ser necessários exames adicionais, como biópsias, para confirmar o diagnóstico e descartar outras condições mais sérias.

Os lipomas podem reaparecer?

Após a remoção de um lipoma, a recorrência é geralmente rara. No entanto, em alguns casos, um lipoma pode retornar no mesmo local ou surgir em uma nova área. A taxa de recorrência varia de acordo com vários fatores, incluindo a extensão da remoção cirúrgica e a tendência genética de desenvolver lipomas.

É importante ressaltar que, mesmo quando um lipoma reaparece, ele ainda é considerado um tumor benigno e não canceroso. Se um lipoma recorrente se tornar sintomático ou causar preocupação estética, ele pode ser removido novamente por meio de cirurgia ou outro método apropriado.

Existe prevenção para lipomas?

Não há uma maneira comprovada de prevenir completamente o desenvolvimento de lipomas, pois sua causa exata ainda não é totalmente compreendida. No entanto, aqui estão algumas dicas que podem ajudar a reduzir o risco de lipomas ou minimizar seu crescimento:

  • Manter um estilo de vida saudável: Adotar um estilo de vida saudável, incluindo uma dieta equilibrada e exercícios regulares, pode ajudar a controlar o peso e reduzir o risco de desenvolver lipomas. Embora a obesidade não seja uma causa direta dos lipomas, há uma associação entre o excesso de peso e o desenvolvimento desses tumores.
  • Evitar lesões traumáticas: Traumas ou lesões na pele podem desencadear o desenvolvimento de lipomas em algumas pessoas. Portanto, é importante tomar precauções para evitar lesões desnecessárias ou proteger a pele durante atividades físicas ou trabalho que envolva riscos.
  • Monitorar seu corpo: Fique atento a quaisquer novos crescimentos ou mudanças na pele. Se você notar qualquer protuberância ou nódulo, é essencial consultar um médico para um diagnóstico adequado. O diagnóstico precoce e o tratamento adequado podem ajudar a evitar complicações futuras.
  • Conhecer seu histórico familiar: Se houver casos de lipomas na sua família, é importante informar seu médico. Embora não seja possível evitar completamente a predisposição genética, estar ciente do histórico familiar pode ajudar no monitoramento e no diagnóstico precoce.

Lembrando que essas medidas são apenas sugestões e não garantem a prevenção completa dos lipomas. Talvez muito mais importante que a prevenção, é sempre que aparecer algo diferente em seu corpo, você procura um médico para obter aconselhamento adequado e personalizado.

O lipoma tem alguma relação com a obesidade?

Como já mencionado anteriormente, não há uma relação direta entre o lipoma e a obesidade, no entanto, existe sim uma associação observada entre os dois. A obesidade é caracterizada pelo acúmulo excessivo de tecido adiposo no corpo, enquanto os lipomas são tumores benignos compostos por células de gordura.

Acredita-se que a obesidade possa estar ligada ao desenvolvimento de lipomas devido a fatores hormonais e genéticos. A obesidade está associada a desequilíbrios hormonais, como níveis aumentados de insulina, estrogênio e outros hormônios relacionados ao tecido adiposo. Esses desequilíbrios hormonais podem influenciar o crescimento e a divisão das células de gordura, potencialmente contribuindo para o desenvolvimento de lipomas.

Além disso, a obesidade tem uma base genética e familiar, e a predisposição genética pode aumentar tanto o risco de obesidade quanto o risco de desenvolver lipomas. Estudos identificaram algumas mutações genéticas associadas ao desenvolvimento de lipomas e também observaram uma maior incidência de lipomas em famílias com histórico de lipomatose familiar.

No entanto, é importante destacar que nem todas as pessoas obesas desenvolvem lipomas, e nem todos os lipomas ocorrem em pessoas obesas. Existem vários fatores envolvidos no desenvolvimento de lipomas, e a relação exata entre lipomas e obesidade ainda não é completamente compreendida.

O lipoma pode aumentar durante a gestação?

Embora seja incomum, em alguns casos, os lipomas podem aumentar durante a gestação. Durante a gravidez, as alterações hormonais e o aumento do tecido adiposo podem contribuir para o crescimento de lipomas pré-existentes ou para o desenvolvimento de novos lipomas.

As alterações hormonais, como o aumento dos níveis de estrogênio, podem estimular o crescimento das células de gordura, o que pode levar ao aumento do tamanho dos lipomas. Além disso, o ganho de peso associado à gravidez também pode influenciar o crescimento dos lipomas.

No entanto, é importante observar que nem todas as mulheres experimentam esse aumento durante a gravidez, e a maioria dos lipomas permanece inalterada. Em muitos casos, os lipomas voltam ao seu tamanho original após a gravidez ou podem até mesmo diminuir espontaneamente.

Se você estiver grávida e tiver lipomas que estejam causando desconforto ou preocupação, é fundamental discutir suas preocupações com seu médico. Só assim vocês poderão avaliar a situação da melhor forma, e desta forma, ter as orientações adequadas e acompanhar o crescimento dos lipomas durante e após a gravidez, se necessário.

Curiosidades sobre lipomas

Tumor benigno mais comum

  • Os lipomas são os tumores benignos mais comuns encontrados em humanos.
  • Alguns raros casos podem ser malignos.

Textura e mobilidade

  • Os lipomas têm uma textura característica de “borracha” ou “gelatina” quando tocados.
  • Eles também são facilmente móveis sob a pele, deslizando quando pressionados com os dedos.

Raramente causam dor

  • Na maioria dos casos, os lipomas são assintomáticos e não causam dor.
  • No entanto, se um lipoma pressionar nervos ou estruturas circundantes, pode haver desconforto ou dor localizada.

Lipomas múltiplos

  • Algumas pessoas têm predisposição genética para desenvolver lipomas múltiplos.
  • Essa condição é conhecida como lipomatose familiar ou lipomatose múltipla.
  • Nesses casos, vários lipomas, de diferentes tamanhos, podem se desenvolver em diferentes partes do corpo.

Tamanho e localização

  • Os lipomas podem variar em tamanho, desde pequenos nódulos até crescimentos maiores.
  • Embora a maioria dos lipomas seja relativamente pequena, existem casos raros de lipomas gigantes que podem atingir tamanhos impressionantes. Esses lipomas gigantes podem afetar a aparência física e a qualidade de vida do paciente, exigindo remoção cirúrgica complexa.
  • Eles podem surgir em qualquer parte do corpo onde exista tecido adiposo, mas são mais comuns em áreas como braços, pescoço, costas, abdômen e coxas.

Finalizando, gostaria de deixar claro, que se você tiver lipomas ou notar algum crescimento anormal em qualquer região do seu corpo, é sempre recomendável consultar um médico. Só os médicos podem realizar uma avaliação adequada, levando em consideração seu histórico médico e realizando exames clínicos, se necessário, para chegar a um diagnóstico preciso e fornecer as orientações adequadas.

Eu e minha equipe estamos sempre à disposição para ajudar.

CONTATOS:

  • (35) 9 9941 – 2050
  • consulta.samyzenun@gmail.com

Sobre o Autor

Samy Zenun
Samy Zenun

Conheça o Samy Zenun: médico clínico, especialista em Medicina Esportiva, Anestesiologia/Dor e Nutrologia. Sua missão é ajudar as pessoas a melhorar sua saúde e qualidade de vida com pequenas mudanças de hábito e atitudes. Inscreva-se para receber dicas sobre saúde física e emocional, desenvolvimento humano, ciência e espiritualidade.

0 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *